segunda-feira, 30 de maio de 2016

MITOS E VERDADES SOBRE TARÔ/ORÀCULOS - PARTE II

Dando continuidade ao tema, vamos para a segunda parte então, lembrando sempre que as nossas crenças e o bom senso é fundamental!

"Tarot resolve todos os teus problemas, descobre endereços e traz seu amor de volta" - Não caiam nessas mentiras, primeiro porque problemas sempre existirão, o que o tarot/oráculo pode ajudar é fazer com que você saiba lidar com eles da melhor forma possível e através do seu autoconhecimento. O tarot não pode revelar endereço de ninguém, pois se fosse assim, nenhum tarólogo teria agenda, e  ninguém pode invadir o livre arbítrio de ninguém, fazendo com que a pessoa que queremos faça exatamente aquilo que desejamos. O tarot pode ser limitado  para muitas coisas, porém as opções  que ele nos dá são tantas que compensa e muito essas supostas limitações.

Sozinho o tarot não funciona - Sem estar concentrado na leitura, ele se torna apenas figuras, não tendo o menor valor, por isso é muito importante tanto o tarólogo quanto o cliente estarem concentrados na pergunta ou na situação em que se encontra o consulente para assim obter respostas corretas.

"Quando o tarólogo/oraculista é realmente bom, ele revela tudo da sua vida sem que ele pergunte" - Todo tarólogo/oraculista realmente bom e profissional vai no mínimo querer ajudá-lo através do seu oráculo, porém nenhum oráculo é mágica para revelar tudo sobre o consulente sem que o tarólogo pergunte. Um mínimo de informações é importante. Na vidência/numerologia e até na astrologia isso é até  comum, porém com limitações, pois a espiritualidade preserva a individualidade e privacidade de cada um. No entanto nenhum método é melhor que outro, apenas diferentes.

"É necessário o nome completo do consulente e de todos os envolvidos para a interpretação correta das cartas" - Tanto o nome completo quanto a data de nascimento são necessários para a Numerologia e não para consultas de tarô. Há tarólogos porém que preferem porque pretendem também analisar o consulente através da numerologia, mas para se consultar somente com as cartas não existe essa necessidade de forma alguma.

"Não se deve deixar ninguém mexer nas cartas pois elas ficarão com as energias da pessoa" - É claro que temos que ter cuidado para que curiosos não fiquem mexendo nas cartas pois isso pode até danificá-las, as mãos podem estar sujas, suadas e isso pode realmente prejudicá-las, mas nada impede que vez ou outra alguém  venha  pegar nas cartas pois até na hora da consulta acontece do cliente tocar em algumas cartas e muitos tarólogos até preferem que os consulentes cortem ou separem algumas cartas para leitura. O papel das cartas em si não recebe nem emite nenhuma energia da pessoa.

"Tarot não deve ser cobrado quando se trata de dom natural da pessoa" - Bem, este assunto já está aqui no blog em "A cobrança justa e devida dos tarólogos", Veja o tema.

"Tarot prevê futuro a longo prazo" - O tarot é mais eficiente no tempo presente. No passado, ele pode dar indícios de até no máximo três meses atrás e no futuro, no máximo  até um ano, mas é raro. Normalmente  se dá até seis meses e dependendo muito do caso.

"Tarot prevê fatalidades" - O tarot só dá probabilidades, jamais fatalidades, pois temos nossas livres escolhas para mudarmos qualquer que seja a situação ainda que não necessariamente a situação em si, mas sim, a maneira de como a  encaramos.

"Tarot é sagrado, divino" - Aí depende muito de cada tarólogo, cada um enxerga o tarot de uma maneira, sem alterar em nada. Eu não o vejo como sagrado nem algo sobrenatural, apenas  como uma ótima ferramenta de autoconhecimento. Então ele não é universalmente sagrado. Se o fosse não existiriam  exceções.

"Tarô" e "tarot" só muda de grafia mas é a mesma coisa - Sim, com certeza. Tarô é mais escrito assim aqui no Brasil e também tarot, e em outros países muda-se também  em outras grafias como tarocchi, tarock, tarot. Mas nada impede de escrever de uma maneira ou de outra.

"Baralho cigano não pode ser lido por quem lê tarot, mas sim, só pelo povo cigano" - O baralho cigano é um oráculo, assim como o tarô ou qualquer outro. Baralho só quer dizer conjunto de cartas e pode sim ser lido por tarólogos que lêem o tradicional, desde que tenham aprendido a didática, claro, pois a estrutura é bem diferente. Enquanto o tarot tradicional contém 78 cartas separadas em arcanos: maiores (22) e arcanos menores (56), o baralho cigano tem apenas 36 cartas sem divisões e com figuras bem diferentes das do tarô. Nada impede portanto a leitura desde que se saiba as diferenças, e não necessita ser cigano ou do povo cigano para ler, mesmo porque nem se conhece exatamente a origem certa do baralho cigano pra tirar essas conclusões. É mais uma crença.

"Tarot é religião" - Tarot não tem dogmas e não é um sistema de crenças fixas. Não é algo sobrenatural nem sagrado. Pode haver quem o adote como tal, mas seria apenas uma convenção restrita e individual, o que é raro. No entanto não existem instituições para tal prática do tarot.

"As cartas dos Arcanos Maiores do tarô números 12, 13, 15, 16 e 18 prevêem desgraças" - Quem pensa assim nunca estudou as cartas corretamente ou nem ao menos teve nenhuma experiência a respeito. Veja o tema neste blog "Sobre cartas negativas e positivas".

"A carta X é a pior carta e a carta Y é a melhor que se pode tirar" - tudo vai depender do contexto e não há uma única interpretação para cada carta.

Tarólogo/oraculistas podem se auto sabotar ao fazer suas próprias consultas - Isso pode realmente acontecer quando ele estiver em conflito muito grande e se não estiver devidamente preparado. Convém até mesmo se consultar com outro tarólogo/oraculista se for o caso ou nem mesmo tirar nenhuma carta nesses momentos difíceis. Até mesmo para fazer leituras para consulentes, se deve estar devidamente separado de seus próprios conflitos, caso contrário, podem surgir interferências. Isso se explica pelo fato do tarot ser um trabalho comumente mental. Temos que estar desprovidos de qualquer emoção/mentalidade negativa na hora das consultas. Por isso o tarólogo/oraculista tem que se preparar entre um consulente e outro, marcando uma hora em que ele esteja livre de suas próprias preocupações e procurar relaxar o máximo que puder com técnicas de respiração adequada e até mesmo com o uso de alguma terapia em que ele se sinta bem.

"Tarólogos/oraculistas médiuns são mais eficientes" - Todos os tarólogos são médiuns/sensitivos, mas não existe a necessidade de mencionar isso nas consultas porque a única diferença é o tipo de mediunidade, que pode ser auditiva, ou seja, que o consultor(a) tem auxílio dos mentores na hora da consulta (daí nem necessitando às vezes da abertura/leitura das cartas) e consultores que vão ter auxílio da sua mediunidade intuitiva mediante as cartas; portanto a essência das respostas será sempre a mesma. E ninguém é mais eficiente que o outro, apenas diferentes na hora da consulta. Em suma, cada oraculista tem suas peculiaridades e as respostas sempre serão as mesmas dadas por um que é médiun audiente e outro intuitivo. Claro que podem ter outros tipos de mediunidade nas consultas, mas estes dois são os mais comuns e alguns estão ligados a religião africana, espírita/cristã (mais comuns), entre outras. Porém, nada diferencia em questão de eficiência e veracidade; apenas na maneira de dar a(s) resposta(s) aos consulentes.

Tarólogos podem falhar nas interpretações das cartas - Muito comum principalmente quando o tarólogo trabalha horas a fio sem descanso mental ou quando se encontra angustiado ou despreparado no momento. Isto se dá tanto em interpretações aparentemente ruins ou até boas demais para o consulente que fica ou arrasado ou muito animado com as interpretações, mas que no fim percebe-se que não foi nada daquilo que o tarólogo disse pelos  fatos posteriores. Nomalmente tarólogos que trabalham para terceiros estão mais sujeitos a isso, pois têm que cumprir as exigências de horários e metas  para quem estão trabalhando. Tarólogos/oraculistas que trabalham em sites coletivos é um exemplo típico.

Para ser tarólogo é necessário gostar e saber lidar com pessoas em geral - Sim, assim como em outras profissões que lidam com o público, pois temos que amar o que fazemos, caso contrário será catastrófico. Temos que saber dar os conselhos da melhor maneira possível e saber interpretar o que as cartas estão mostrando. Também procurar ter empatia  com as pessoas e tentar compreendê-las, é essencial. Muitas pessoas querem que o tarólogo resolva os problemas e isso não é possível. Nós apenas vamos tentar ajudar o consulente a se conhecer melhor e mostrar os conselhos e caminhos que a carta mostra e isso só vai  depender dele a partir da consulta, lembrando sempre que se a própria pessoa recusa ser ajudada, não há nada que se possa fazer...

Espero ter esclarecido  com  esse tema alguns mitos que sempre aparecem. Até o próximo blog!




 



 



terça-feira, 24 de maio de 2016

MITOS E VERDADES SOBRE TAROT - PARTE I

Tarot é algo místico - Não deixa de ser verdade, pois se trata de uma crença baseada no oculto do subconsciente, mas há pessoas que preferem ver como algo sem mistério nenhum. Apesar de tudo, isso não faz a menor diferença, tanto faz considerar o tarot místico ou não pois vai depender de cada um.

"Todo tarot deve ser consagrado senão ele não funciona" - Se  pensar assim parece óbvio que para você não vai funcionar mesmo, pois tudo que se impregna no subconsciente será real no plano externo. Se não sentir vontade ou não acreditar nisso, sinta-se livre para  ler as cartas sem consagrar, pois elas funcionarão do mesmo jeito. Tudo depende da sua crença.

Rituais são atitudes, práticas, palavras e objetos  simbólicos usados em conjunto e nunca separadas entre si, "e o tarot não funciona sem eles" - Primeiro que ritual difere de pessoa pra pessoa, de crença pra crença e não existe uma única forma de fazê-lo. Uma simples meditação e concentração, até mesmo na hora de embaralhar as cartas já se está fazendo um ritual, não necessitando acender velas, incensos ou algo parecido em conjunto. Mas realmente sem nenhum ritual (concentração por exemplo) não será possível obter as respostas, pela simples razão de ser a mente concentrada  o principal alvo das revelações em conjunto com as cartas. Mas basta apenas isto.

"As toalhas de tarot não devem ser lavadas nem passadas, apenas queimadas quando impróprias pra uso" - As pessoas que consagram suas toalhas (por crença) devem ficar atentas a isso já que acreditam nisso, mas as pessoas que  mesmo  que fizeram tal consagração por opção, devem ser livres pra decidirem se lavam e passam ou não. Novamente aqui entra a crença e (por que não?) os medos de cada um... lembre-se que o que está em jogo não são as atitudes que julga ser certas ou erradas, mas suas próprias crenças.

Cada tarólogo tem suas  tiragens, podendo copiar de outros tarólogos - Sim, cada tarólogo pode tanto copiar tiragens, desde que essas tiragens sejam permitidas pelo autor, quanto fazer as suas próprias, desde que se sinta  bem e funcione para ele, pois existem infinitas tiragens para cada assunto e não apenas uma ou duas.

"Tarot é apenas técnica" - Técnica é um procedimento geralmente imutável que tem como finalidade um determinado resultado em qualquer área. Técnica portanto é um conjunto de regras que se utiliza para atingir determinado objetivo. O próprio aprendizado de tarot não deixa de ser uma técnica, mas se não houver nenhuma intuição que é a percepção mais aprofundada no momento da leitura, ele se tornará algo praticamente sem vida, estático, mecânico, pois técnica além de tudo, não permite mudanças nem o fator essencial da crença e livre arbítrio de cada um. Sendo assim, considero o tarot mais intuitivo que técnico.

"Só existe uma interpretação para cada carta do tarot" - Se o tarólogo usar apenas a técnica, talvez sim. Mas cada carta tem várias interpretações que varia de tarólogo pra tarólogo e do assunto de cada consulente também, não dá pra fazer uma lista de interpretações definidas e novamente a intuição entra  aqui.  Claro que cada carta tem seus significados  fixos mas também tem as suas flexibilidades e extensões. Tarólogos não podem se prender unicamente à palavras-chave de cada carta, fazendo uma listinha de interpretações prontas e decorá-las porque não vai dar certo. É por isso que só se limitar a cursos e livros não são suficientes. É necessário muita prática e intuição também.

"Há somente uma forma de embaralhar as cartas" - Cada pessoa vai ter seu jeito certo de embaralhar, aquele que mais facilita pra ele. De que adianta seguir regras de professores e livros se não se consegue adaptar à elas? Da mesma forma se dá ao "cortar" as cartas em dois ou três montes, espalhar as cartas em leque, etc.. são regrinhas nada convencionais nem definidas pelo tarot, pois quem inventou isso provavelmente acreditou ser assim  mais correto, pra ele. Mas se pra você funciona do mesmo jeito não precisando cortar, nem espalhar as cartas como a maioria talvez o faça, o tarot é livre para usa-lo do jeito que melhor se adapte.

"Existe tarot específico para cada assunto" - Já ouvi falar em vários tipos de tarot... Tarot do Amor, Tarot Quântico, Tarot das Runas, Tarot dos Anjos..etc..a lista é enorme. São tipos interessantes até e pra quem gosta de inovar é uma forma legal de se familiarizar com todo o universo das cartas. Porém, o tarot tradicional possui a mesma finalidade de interpretação, seja para uso terapêutico, amor, espiritualidade, autoconhecimento e não necessita comprar outros tipos de tarot para cada caso específico nem se fazer cursos sobre eles a não ser que se queira, por simples curiosidade ou até por lazer.

"Só a mandala ou mesa real (no Baralho cigano) é que dá orientação e panorama geral do consulente" - Uma das tiragens mais famosas pra se ver o panorama geral de um consulente, sem dúvida, é a mandala, mas existem muitas outras tiragens  até mesmo mais completas, para se ter um panorama geral. Isto se deve pela mandala chamar muito a atenção das pessoas e existir muitas crenças sobre ela, além de estar relacionada muitas vezes com a astrologia. Da mesma forma no Baralho Cigano com o método da Mesa Real.

"O método europeu é  o melhor método de tiragem" - No método europeu se utiliza uma carta do arcano maior e uma do arcano menor juntas para cada casa. O melhor método é aquele que você consegue captar o que realmente se passa na vida do consulente e isto tanto faz  utilizar o método europeu quanto o americano (arcanos maiores e menores juntos) ou o tradicional (somente os arcanos maiores) pois não fará nenhuma diferença e não vai mostrar mais ou menos do que se deve saber. Apenas uma prática diferente que alguns tarólogos se sentem bem e que gostam de acreditar que este seja o método mais eficaz. Se o tarot tiver que responder algo, não será a escolha do método que irá responder diferente. 

"Baralho cigano ou outro oráculo é melhor que tarô, pois revela tudo" - Nenhum  oráculo é melhor que outro e nenhum vai revelar tudo. Este é um mito muito difundido para ganhar clientes. Tanto o tarô quanto o baralho cigano vão revelar apenas o que for mais importante para o consulente e normalmente seu momento presente. No mais, algumas fases passadas recentes que estão influenciando o momento atual. Acreditar que um determinado oráculo é melhor que outro é cair em ilusão.

Pois é, mitos são causados por crenças equivocadas. No tarot existem muitas crenças que são causadas por medos, imaginações e boatos sem fundamento, que fogem da realidade não sendo devidamente comprovadas, e que ainda que sejam na teoria, são  geralmente causadas por mentes condicionadas a tais situações. Felizmente, crenças podem e devem ser mudadas quando nos limita e  nos privam do nosso livre arbítrio, tão importante para o crescimento e evolução interior de cada um. Esta é apenas uma parte de tantos outros mitos mas também verdades que postarei aqui neste blog, lembrando que cada um terá seus mitos e verdades mas que chega uma hora que eles não têm o menor valor para si, tornando-se obsoletos além de limitantes. Se minhas verdades e mitos que mencionei aqui coincidiram com as suas, isso o ajudará a reforçá-las, mas se não os aceitou, escolha as suas verdades e mitos, mas leve esta sugestão: Se suas crenças não te atrapalham, siga em frente. Caso contrário, não tenha medo de mudá-las.
Continuo no próximo blog com o mesmo tema. Até lá!







 

segunda-feira, 16 de maio de 2016

ERROS QUE TARÓLOGOS NÃO DEVEM COMETER

A ética está presente em todas as profissões e a do tarólogo não deve fugir à regra. Aqui um breve resumo do que tarólogos não devem fazer em relação aos seus clientes ou futuros clientes:

Forçar alguém a acreditar no seu trabalho - Oráculos em geral são motivados por crenças e quem não acredita não adianta fazer a pessoa acreditar pois não terá nenhum efeito e será uma perda lamentável de tempo. Portanto, respeite a crença do outro.

Oferecer consulta sem que o outro peça e/ou insistir pra que venha se consultar com ele(a) - Deixe que a pessoa por si mesma vá procurar quando ela se sentir preparada.

Perguntar detalhes sobre a vida pessoal e íntima do cliente - Precisamos sim, de alguns detalhes, porém básicos. Nada de querer invadir a privacidade alheia!

Exagerar nas interpretações pouco positivas, já dando como definitiva a questão e/ou oferecer trabalhos espirituais pagos para desfazer tal negatividade - Por mais que o tarólogo trabalhe com serviços espirituais, cabe apenas ao cliente querer ou não que se faça tal procedimento. Separe uma coisa da outra: consulta de tarô  ou trabalho espiritual. E não se esqueça: tarô não é fatalismo, apenas probabilidade!

Intrometer na vida da pessoa para que faça exatamente o que o tarólogo acha que deve  e fazendo ameaças caso o cliente negue fazer - Conselhos não são ordens, apenas sugestões, cabendo ao cliente fazer as escolhas.

Querer explicar detalhes técnicos de cada carta que se tirou sem que o cliente tenha o menor interesse em querer saber - Tarólogo só faz a consulta e professor é que ensina, a não ser que você também dê aula, mas na consulta faça apenas a interpretação correta e sem rodeios. Deixe para falar da parte técnica e teórica nas aulas.

Fazer propaganda enganosa tanto do trabalho em si como da própria aparência, colocando  uma foto que não combina com a realidade ou prometer aquilo que não  vai cumprir - Procure mostrar seu trabalho e sua aparência de acordo com a realidade em vez de querer se sobressair só para poder impressionar.

Dizer que o tarô vai resolver todos os problemas, trazer aquele amor de volta e até revelar os números de jogos para enriquecer - Tarô não faz nenhum milagre, apenas  uma ferramenta para o autoconhecimento e utilizado para dar os melhores conselhos para assuntos em questão. Isso também se encaixa acima como propaganda enganosa.

Estipular um preço e no final da consulta mudar o valor, tanto para baixo quanto para cima - O consultor deve cobrar exatamente o que foi combinado desde o inicio, independente de qualquer motivo. Só assim ele conseguirá credibilidade. O mesmo vale para aquele que diz que não cobra nada e no final muda de ideia.

Querer que o cliente participe dos seus rituais alegando que dessa maneira o tarô não irá responder - Com ou sem rituais, o tarô vai responder e ninguém pode ser forçado a participar de ritos que só cabe ao  tarólogo fazer, caso isso faça parte do seu trabalho.

Dar previsões de morte, doenças, catástrofes ou acidentes e traições afetivas - Ainda que o tarólogo seja um médiun ou diz sentir tais previsões isto seria causado pela negatividade excessiva do consulente ou raro, até do próprio tarólogo, neste caso cabe apenas ao consultor além de manter-se afastado das energias alheias, aliviar a energia negativa do cliente com bons conselhos, lembrando que as cartas só revelam o que está oculto no subconsciente no momento da leitura! Portanto, não cabe ao tarólogo revelar tais assuntos delicados ainda que tenha alguma possibilidade de existência.

Constranger o cliente com olhares fixos, gritos ou palavras ásperas - O cliente está ali para se consultar e receber conselhos, não humilhações.

Na hora da leitura, tirar várias cartas e só ler apenas uma ou parte delas - Todas as cartas que são tiradas devem ser lidas uma por uma, pois todas elas têm suas interpretações. "Pular" cartas é típico de tarólogos  que se acham experientes e não são. Se ele se diz médiun pra tentar justificar essa falha, que seja melhor usar então a mediunidade e não as cartas.

Ocultar do cliente as cartas que são tiradas, tanto presenciais, tampando com as mãos, quanto online - Mesmo não podendo tirar fotos (no caso de consultas online e sem câmera de vídeo), é fundamental revelar quais cartas foram tiradas dizendo ao menos os nomes delas para que o consulente tenha maior esclarecimento.


Deixar o cliente desconfortável com ambientes escuros, desorganizados, sujos, com cheiros fortes (cigarros, perfumes, etc) e com barulhos, podendo causar mal-estar a quem consulta - Para tarólogos que atendem pessoalmente, manter o ambiente claro, organizado e limpo, com cheiros agradáveis e com o mínimo de ruídos possível é necessário  para o bem-estar de ambos.

Deitar cartas rasgadas, sujas ou amassadas  - Deixar cair as cartas no chão é outro desleixo e causa péssima impressão. Tenha cuidado ao manusear as cartas, afinal é o seu instrumento de trabalho.

Negar consultas para aqueles que o tarólogo tenha algum preconceito - O papel do consultor é ter respeito para o consulente, seja ele quem for, não devendo ser excluídos e julgados pela cor, etnia, religião, sexualidade ou demais características que o tarólogo julgue "inapropriado" para o seu trabalho.

Dar previsões confusas, muito longas ou não dar nenhum conselho - A interpretação deve ser clara e resumida assim como os conselhos, não deixando o cliente com margem de dúvidas. Mas se mesmo assim ele ainda tiver, cabe ao tarólogo  esclarecer da melhor forma possível e não achar que por ter concluido a consulta não venha a ter esse compromisso.

Querer responder à várias perguntas diferentes (acima de três) num mesmo horário - Não se torna conveniente responder a mais de três perguntas numa mesma hora, pois a revelação pode  dar falhas, misturando um assunto com outro. Isso gera muita confusão e não ajuda em nada. Depois de cada pergunta se deve fechar a mente para aquele assunto que foi digerido e bem entendido pelo consulente para depois partir para o próximo, e isso demanda um certo tempo para acima de três perguntas.

Sair comentando para pessoas amigas, parentes ou familiares o que o tarô revelou para tal consulente - Além de ser  falta de respeito, isso pode causar péssima reputação para o tarólogo. Evite a todo custo fazer isso mesmo que insistam. As consultas devem ser rigorosamente confidenciais, a não ser em casos excepcionais, o que chega a ser raro.

Criticar outros tarólogos ou mesmo outros profissionais da área esotérica, como numerólogos, astrólogos, cartomantes, etc. - Se não gosta de outras áreas ou não acredita nelas, evite falar a respeito. Cada pessoa com sua profissão e suas crenças. O bom profissional  deve cuidar da sua e não interferir na dos outros.

Querer investigar a vida de uma pessoa na ausência dela e sem que ela lhe tenha dado permissão para tal consulta - Isso se torna inclusive invasão de privacidade da pessoa em questão e desrespeito para com a própria profissão.

Fazer chantagem com o cliente para inclusive obter mais dinheiro - Qualquer que seja a situação, não vale fazer esse tipo de opressão. Se o consulente não respeita o tarólogo, simplesmente dispense-o com um jeito firme e educado.

Fazer consultas para terceiros - Se um consulente pedir ao tarólogo para saber como determinada pessoa se encontra no momento ou querer saber da vida dela sem que ela esteja presente ou sem o consentimento dela, a consulta não deverá ser realizada por respeito à privacidade alheia.

Estipular datas certas para acontecimentos possíveis - Além de ser irresponsabilidade do tarólogo, o tarô não tem  estrutura para indicar datas fixas de possíveis acontecimentos mesmo porque o tarô só revela possibilidades e não  fatos concretos que irão acontecer realmente, e as datas podem ter grande margem de erros. Evite isso por mais tentador que seja. 

Dar diagnóstico de doenças e/ou indicações de  medicamento - Isso cabe apenas aos profissionais da área da medicina, portanto não se atreva a tal atitude. O tarô só poderá revelar se existe a possibilidade de haver algo com a saúde  para que se procure um profissional da área.
Essas são algumas regras básicas que se bem seguidas, evitará muitos transtornos tanto para o tarólogo quanto para os clientes e ambos se beneficiarão. Parece complicado mas é tão fácil e custa muito pouco. Ou nada! 





 









terça-feira, 10 de maio de 2016

O TAROT E VIDAS PASSADAS

É possível usar o tarô  para desvendar vidas passadas e a missão de cada um nesta vida?
Questão bastante delicada, mesmo porque a reencarnação é por enquanto apenas uma crença tanto pela sociedade em geral quanto pela maioria dos cientistas e portanto ela só existe comumente para os que realmente acreditam. Isso posto, vale saber que o tarô  só vai revelar como se encontra o consulente no momento presente, como está seu interior, seu passado recente que esteja influenciando o presente e no máximo um possível e breve futuro, que aliás, você pode mudá-lo. Isso se torna mais que suficiente para o consulente poder solucionar seus problemas da melhor maneira possivel, porque a questão não é como evitar os problemas, mas saber como solucioná-los ou lidar com eles.
Existem tarólogos/cartomantes que fazem esse tipo de consulta a fim de conquistarem mais clientes, visto que há  muita gente interessada e bastante curiosa nesses assuntos, ou até mesmo por acharem que com o tarô se pode tudo....  Não posso ser contra essa prática que considero insensata, mesmo que tais tarólogos sejam espíritas ou médiuns, pois cada um faz da sua profissão o que achar melhor para ele. Conheço vários métodos de tiragens e com vários tipos de oráculos além do tarô tradicional para tais finalidades, mas nenhum deles me convenceu. Por isso sustento por experiência própria que o tarô ou qualquer outro oráculo não tem base nem estrutura para revelar vidas que  já não  existem mais, pois quem pode garantir que a pessoa tenha mesmo vivido tais personagens que são  supostamente representadas pelas lâminas? Além do mais, posteriormente  insatisfeito com as "revelações," o consulente provavelmente procurará outros tarólogos/cartomantes para confrontar a veracidade dos fatos e aí a confusão instalada.
Mas para quem tem muita curiosidade ou muito interesse no que diz respeito à vidas passadas, o mais sensato e  coerente é procurar médiuns de vidas passadas e que tenham de preferência formação na área psicológica. Existem muitos especialistas em regressão de vidas passadas com registro no CRP e que têm experiência com as mentes conturbadas dos seres humanos, e isso garante segurança, porque eles têm toda uma estrutura espiritual e psicológica para tais assuntos. Num divã de especialista tudo é realizado com muita cautela e responsabilidade, inclusive utilizando métodos de hipnose para fazer com que a pessoa verdadeiramente reviva suas experiências remotas na prática com toda preparação e segurança que só profissionais da área possuem e não apenas em uma única sessão, como várias até, pois se  nesta vida você já passou por várias etapas e que nem ao menos se lembra mais de muitas, imagine se numa única sessão/consulta você iria conseguir saber tudo de outras vidas! Refletiu já sobre isso?

Quanto à  missão pela qual você quer saber pra que veio, vale um lembrete muito importante: A missão de cada pessoa já é cumprida a cada etapa que vivemos e surgirá sempre em cada nova situação que se apresente ciclicamente mediante esta vida, e  isto sim, o tarô com certeza revela!



segunda-feira, 2 de maio de 2016

A COBRANÇA JUSTA E DEVIDA DOS TARÓLOGOS

Apesar da profissão de tarólogo ou oraculista não ser regulamentada, mas apenas reconhecida a partir de 2002 pela CBO, a cobrança de tarólogos e oraculistas  nada mais é que justa e necessária, até porque os investimentos não são baixos como muitos imaginam. Só pra iniciar, aí vamos ter desde custos com livros e cursos até os mais simples materiais como toalhas, baralhos, incensos, pedras ( que aliás não costumam ser baratos) só pra citar alguns, indispensáveis ao bom planejamento da profissão, fora os custos com internet, smartphones...enfim, uma lista enorme...
Vejo livros de autores que são bons professores de tarot, pois passam aquilo que aprenderam dentro do contexto do curso, porém alguns querem invadir o livre-arbitrio daqueles que não têm a mínima noção do que fazer na hora de trabalhar como tarólogos no que diz respeito à cobrança, e esses autores aproveitam-se para expor suas opiniões como se fossem regras de não poder cobrar pelos serviços.

Todo trabalho é digno de cobrança, porém há também tarólogos que cobram como se fossem profissionais liberais ou bem acima da média, ou seja, aqueles que exploram seus clientes, se bem que fica a critério de cada cliente em aceitar ou não,pois se há quem paga, há os que cobram também. A escolha é de cada um.
Muitos alegam de que trabalhos espirituais não devem ser cobrados por ser um "dom divino"; se fosse assim não seriam necessários os cursos e investimentos e nem mesmo precisaríamos de dinheiro para sobreviver. O dinheiro é visto como algo sujo e ele nada mais é que uma troca de valores, um bem necessário a todos sem exceção, uma forma de subsistência. Por que o Universo e a Espiritualidade proibiriam tal troca se ele é sustento de todos? Se fosse assim nenhuma igreja também teria que cobrar os dízimos e nenhuma igreja católica cobraria pelos serviços aos seus fiéis, além de velas e demais acessórios que são vendidos. Mas é o preconceito ou culpa da maioria dos tarólogos que se sentem culpados em cobrar pelos seus serviços, talvez devido à várias histórias de charlatões que sempre existiram, mas devemos lembrar que isso acontece em qualquer área. Cada um  deve valorizar a sua profissão fazendo o papel que lhes cabe, com respeito e ética.
Sei que há também aqueles que sentem prazer em doar seus serviços mas estes já devem receber de si mesmos a satisfação interior em troca e não invadem  o livre-arbítrio daqueles que cobram para que façam o mesmo. Se assim o fizerem, estarão sendo hipócritas e isso ao meu ver é bem pior e prejudicial. Por isso pense bem antes de se consultar com tarólogos que aparentemente não cobram, pois de alguma forma estarão cobrando mais do que você possa ser cobrado...

Afirmo no entanto que cada profissão tem seus riscos e que ser tarólogo também não é  tarefa fácil como muitos  possam imaginar. Há riscos, altos e baixos como toda profissão autônoma. As cartas revelam as situações mas cabe ao tarólogo  saber interpretar de forma ética e devida. Em suma, qualquer troca é inerente ao Universo e não temos que ter vergonha ou sentirmos culpa.Vergonha é não dar o devido valor àqueles que procuram nossos serviços, agindo de má fé, sem ética e desrespeitando as pessoas. Nossa missão é ajudar a todos e recebermos por isso. Dever e direito justos. 



MENSAGENS MAIS LIDAS